Diabetes: ¿cómo mediar una glucosa de forma no invasiva?

Uma “tatuagem temporária” que mede os níveis de glicose sin sangre, realizada por pesquisadores de la Universidade de San Diego, nos EUA. Trata-se de um dispositivo ultrafino, que permite que aos diabéticoscontrolarem o açúcar no hay sangre.

O objetivo é dizer adeus às famosas picadas sin dedo para os diabéticos. El dispositivo se aplica directamente na pele como um tipo de adhesivomas lembra uma tatuagem temporária, e é capaz de medir una glicosa presente nos fluidos sob a pele.

Pesquisadores from Universidade de San Diego monedero o objetivo de desenvolver um sistema que seja capaz de medir una glicosa de uma de forma no invasivabuscando por alternativas que eviten picadas aos doentes, bem como perfurações constantes na pele feitas pelos rotineiros exames de blood.

Un “tatuagem temporária” capaz de medir una glicosa, foi projectada para ser aplicada directamente em um braço e não cause desconforto ou irritação. Definitivamente é mais confortável do que una práctica tradicional de “picada de agulha”.

A pesquisa em questão foi publicado na revista Química analítica, sob o título de “Monitoreo de glucosa no invasivo basado en tatuajes: un estudio de prueba de concepto”. Con una aplicación de un dispositivo ultrafino, funciona como un gráfico para transferir páginas.

O dispositivo é capaz de gerar uma imperceptível actual, capaz de atrair para si íons de sódio presenta ningún fluido entre una celula y outra. Precisamente estes íons de sódio, estão envolvidos no transporte de glicose.

foto: pubs.acs.org

Em aplicações futuras, a “tatuagem temporária” pretende não só acompanhar a diabetes, mas também outras doenças tais como os quadros renais. A producción do uma exigiria dispositivo figura irrisoria e podría ser introducido en ningún mercado a um custo acessível a todos.

O dispositivo, como melhorias realizadas, podría comunicarse para analizar datos a través de bluetooth, directamente para o médico, de manera de ahorrar tiempo y dinero.

A veces interesa ler também:

DIABETES: 10 SINTOMAS INICIALES BASTANTE COMUNS

DULCE AGONIA: COCA COLA Y PANO DE FUNDO DE LA EPIDEMIA DE DIABETES NO MÉXICO