COP20 eo global aquecimento: esperança ou catástrofe?

Reunião anual acontece em Lima, no Peru, and tem a ambiciosa goal of that all os participiant particularm quais serão suas ações to contrater a mudanza weather.

Resultados de estudios indican que a incapacidade politica de reduzir o aquecimento global podium levar a resultados catastróficos.

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC) para la assinada en 1994 visando la reducción de GEE (gases causadores de efeito estufa) e já foi ratificada por 195 países, os quais se reúnem uma vez por ano no event conhecido como COP, que quer dizer Conferência das Partes, na sigla em inglês, e é o órgão supremo da Convención.

Nas 19 edições anteriores da COP, contudo, a reunião esbarrou em conflitos de interesses das partes, temiendo eventuais prejuízos econômicos, case assumissem compromissos com a reducción de gases de efeito estufa.

Desta vez, embalados pelo otimismo causado pelo fato de que os dois maiores poluidores do mundo, EUA y China, pela primeira vez assumiram compromissos de redução de GEEa mitad de camino de la COP20 é de que, pela primeira vez, cada país se responsabilize em algum nível a reduzir a emissão de GEE, tendo em considerção as prioridades of each country and região em termos de desenvolvimento, conforming os targets and as circunstâncias of each um .

Dentro de comunidade científica, entretanto, há o temor de que já seja tarde demais para evitar varias consequências. Considerando que não há compromissos rígidos, não se acredita que as reduções planejadas sejam suficiente para conter suficiamente o secado global, que es de 0,85 °C em comparação com o ano de 1880.

Os modelos indican que para se conter o acquecimento a 2°C até o fim despierta século, deveríamos atingir or pico de emissão de GEE em no máximo 10 anos. Contudo, isso não é provável, diante da relutância de grandes poluidores as a China, que pretend reduzir suas emissões a partir de 2030, and from Índia, a partir de 2040.

Case não se atinja o pico de emissão de GEE en los próximos 10 años, os modelos indicam um secado entre 2,25 y 5,5 ° C até o fim deste século. Por lo tanto, si considera que nuestra capacidad de cortar emisiones marcará la diferencia entre un planeta desconfortável o inabitável.

No vivemos a maior seca dos últimos 80 anos, estimando-se que as perdas da agricultura no sudeste sejam as maiores dos últimos 50 anos, e não se sabe examente quais seriam as consequências da intensificação da mudanza climática em nosso país.

Nações insulares, de baixa altitude, como as Ilhas Marshall, já estão vivendo as consequências no aumentan el nivel del mar, como en salinização de suas fontes de água doce y de solos outrora férteis. Não é à toa que alguns desses países já estão “fazendo as malas”, considerando que una inundación de dos territorios será difícil de evitar.

Leia también: